Patrocinadores:
Apoio:
Apoio:
Patrocinadores:
Publicada em: 19 de abril de 2019

Domadora e desenhista. O cavalo crioulo por Karoliny Lopes

A paixão de Karoliny Lopes pelos cavalos nasceu na adolescência. Ela morava em Garopaba, no litoral catarinense e, com apenas 12 anos resgatou o primeiro animal.

“Um mestiço, como muitos que cuidei. Eram cavalos abandonados que eu recolhia, levava para um terreno baldio e os tratava até ficarem bons. Então ia trocando por cavalos mais novos e de maior valor. Como não tinha dinheiro, foi a forma que achei de ter meus próprios animais”, lembra.

Decidiu ser domadora. Buscou ajuda, pediu informações. Aperfeiçoou-se e virou profissional autodidata, trabalhando com diferentes raças.

Aos 19 anos se mudou para Lages, com a intenção de cursar a faculdade de Biomedicina.
“O problema foi que me afastei, perdi o contato com os cavalos. Para acalmar a tristeza, passei a desenhar e a pintar animais e cenas de campo. Deu tão certo que amigos começaram a fazer encomendas. Primeiro em papel e telas de quadros. Depois passei a fazer em blusas e casacos de moletom”, ressalta.

Hoje aos 23 anos, Karoliny mora em Imbituba, tem uma rotina que se divide entre a doma e a arte.

“Minha grande paixão é o cavalo crioulo. Só consegui conquistar o sonho de ter meu primeiro exemplar em 2017. Hoje a raça está presente em quase todos os meus trabalhos. Retrato cabeças, gineteadas, cenas do Freio de Ouro, éguas madrinhas. Também reproduzo imagens de fotografias de profissionais como Fagner Almeida e José Guilherme Martini”, destaca.

Quer saber mais sobre a arte de Karoliny? Então é só acessar a sua página no Facebook: Karoliny Lopes Deesenhos ou no Instagram: Lopes.karoliny.

Por Sandro Fávero